quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Das simplicidades.

para Lílian

A garota dos olhos de amar
e dos lábios de rir
sorriu
e o mundo não se encantou em diamantes,
não se fez maior, mais justo
mas, em algum lugar,
uma flor se fundiu ao ar
no exato em instante que ela se abriu.

5 comentários:

Lara Amaral disse...

O olhar e o sorriso de alguém sempre mexe com o coração de outrem.

Belo poema, abraços!

marjoriebier disse...

"Há de surgir uma estrela no céu cada vez que ocê sorrir..."

bia martins disse...

Olaaaaa ^^

Carla disse...

Olá, Marcelo. Vim retribuir a visita e conhecer seu blog.

Adorei a delicadeza, a simplicidade, a leveza da sua poesia... a flor que se funde ao ar, que se mistura ao incorpóreo. Tão leve...

Carla disse...

Olá, Marcelo. Vim retribuir a visita e conhecer seu blog.

Adorei a delicadeza, a simplicidade, a leveza da sua poesia... a flor que se funde ao ar, que se mistura ao incorpóreo. Tão leve...